Pesquisar este blog

quarta-feira, dezembro 27, 2006


Meu olho esquerdo

Não repare
Não me olhe muito
Pois percebi agora
Que meu olho esquerdo
É enorme
Mais permissivo
Mais revelador
Menos punitivo
Menos constrangedor
Quem me dera tivesse
Dois olhos esquerdos
Para ver apenas um lado
Para perceber melhor os outros
Pois meu olho direito
Só inflama
Só me reprime
Só me engana.

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.

Convido você leitor, para que visite meu blog de prosa:

http://www.calamidadevisceral.blogspot.com/

3 comentários:

A czarina das quinquilharias disse...

queria ter dois olhos esquerdos.
um na palma de cada mão...
bjo :*

Anônimo disse...

É a dualidade das coisas nos provando e nos colocando no 'caminho do meio'.
Beijos

l. rafael nolli disse...

Larissa, quem dera tivêssemos apenas nosso olho melhor, nosso lado melhor, aquele que vê mais fundo, aquele que vai mais a fundo em tudo! Esse poema tem um tom de perda, de ressentimento, uma coisa forte e tocante.Muito bom. Olha, fiquei curioso a respeito do teu livro. Sai esse mês mesmo? É prosa ou poesia? Pois é, te desejo toda sorte do mundo com nessa empreitada! Abraços!