Pesquisar este blog

domingo, junho 17, 2007


despiu-se de suas saias negras
por esquecer do que trazia
debaixo delas
rodou em seu terreiro
colocou fogo no mundo
vencidos
os olhos fitavam-se
esboçou um sorriso
fitou suas unhas carmim
pele alva
quase transparente
não queria saídas
queria desenrolar fitas
e ali, despida
morna, sem orgulhos breves
urinou-se, banhou-se,
sufocou-se
na tentativa de abrandar os braseiros
e passeou entre
a melancolia e a felicidade
teve vontade de gargalhar
mas não há mais o que escarrar
vestiu seu vestido de chita
e pôs-se a dançar.

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2007. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.

6 comentários:

anelise massa disse...

E levanta a saia de chita! Vamos dançar maracatu! Lindo!

Alexandre disse...

Diferente...! Mas, sempre belo!

michel m. disse...

Nunca a li assim, seria a vinda do circo de Soleil!

Antônio Alves disse...

Baixou uma Rita Baiana, de Aluísio Azevedo. Ah, o despudor das mulheres às vezes me assusta. Há braços!


Antônio Alves
No Passeio Público
Postagens às quartas e domingos

fabio jardim disse...

entrega no formato de versos.
intenso!!

Lunna disse...

E a intensidade é feito pele em dia de frio: sempre há o arrepio e aquele aconchego em nossas vilas.
Beijinhos moça