Pesquisar este blog

segunda-feira, novembro 29, 2010

goteira
























escorreguei gotejando feito
chuva nas pedras do incompreendido
vãos entremeios do ignorar

há cura para o cansaço
é o sussurro seu no meu ouvido
é a mentira que me conta

já não corro da chuva, da nuvem cinza
nem da esperança que me cega
ainda tenho olhos esbugalhados

eles passam entre seus dedos
como as contas do rosário
de minha avó em devoção

lembro-me ainda do choro
de meu reflexo no seu olho
conjugações não me emocionam
só as gotas

distante me faz ler poesias
e tento reescrevê-las num ato falho
as lágrimas amargas falham em face vazia

jamais tentei o distanciamento
e até orei meu abismo aos bárbaros
que caçoaram de mim

e se consegue ver-me em seus olhos
fure-os na ira da gota
não estou pronta para nós.

3 comentários:

Atestado do Óbvio disse...

Que lindo seu blog! Adorei seus escritos! Quando der dá uma passadinha lá no meu tb!

Bjus

Ramon Alcântara disse...

Diálogo de poesias:

Lágrimas II

Eu vazo
eu inundo
eu ensopo
e o rodo me roda
pra aquele lugar

e o cano me traz de volta.

Eu deságuo, diluo
eu enxáguo
eu inturgeço
e a mão comprime
pra me expurgar.

Vou com o torcido
espremido
empoço
e o pé me pisa
me espirra a esmo.

O vento me leva
eleva, escorro no ar

e vou por aí
sem meu choro acabar.


Nem todo sol ardente...
Nem o vento secante...
Nem a concretude tangente...


Rio, choro e ranger de dentes
me desembocam no mar.

Ramon Alcântara

#####

Lágrimas (3° poesia sobre o amor para Carolina)

Você perfurou meus dois olhos.
Mas não com armas pontiagudas,
mas sim com a docilidade
de suas palavras e músicas (ouvi-te).

Dos dois furos emergentes,
estabeleceu-se um escoadouro.
E apesar de sua vasagem vim de fonte seca,
seu produto líquido é ouro... é tolo.

E é belo por isso... é choro.

Você penetrou-me pela janela.
Mas não como invasores desleais,
pois foi convidada, inquerida
pelos meus ouvidos e passos a mais (aproximei-me).

Do deserto antes intacto,
brotou-se e foi colhida afeição
e esta escorreu pelo meu rosto,
afluente do meu coração.

E é bela por isso, minha paixão.

Ramon Alcântara

Ann Nothing lhe espera!
Abz.

Jo123 disse...

Parabéns!!
Simplesmente belo!