Pesquisar este blog

quarta-feira, novembro 22, 2006


Temo silenciosa por sua alma
Sem suspiro numa inquietude vazia
Quase numa sombra de calma
Nesta plenitude de melancolia.

Por certo essa aflição
Que me ferve o sangue
E dispara meu coração
Faça com que se zangue

Mas essa angústia me assusta
Tenho medo de me perder
E numa curva do rio te esquecer

E minha mão na escuridão te busca
Mas já não sou a luz que te ofusca
E nem o sol pra te aquecer.



RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.
Convido você leitor, para que visite meu blog de prosa:
http://www.calamidadevisceral.blogspot.com/

3 comentários:

Alexandre disse...

Você voltou, como o sol sempre volta no dia seguinte!

Beijos

paulo vigu disse...

"É o resumo do supra-sumo do seu prazer? Decida o que é bom pra você - pese o que é bom" Os corações do bem excitam o bem. Aja na sombra da calma. Riodaqui. beijo aí. paulo vigu

Larissa Marques disse...

Escrevo da vida, mas não só da minha. Nem tudo que está escrito é tão superficial que não haja necessidade de interpretação e nada tão profundo que não seja alcançado em um mergulho com apenas um fôlego.