Pesquisar este blog

segunda-feira, fevereiro 05, 2007


Por vezes me pergunto
Porque escolher o mais difícil
Para quê me entregar ao contra senso
Porque me entrego aos braços da angústia
Porque não aceito a verdade alheia como a minha
A infame cinza da infelicidade
Encobre meus pensamentos
Faz-me analisar com frieza
E minha boca amarga
Não se cala diante da mesmice
E da vulgaridade
A inútil visão crítica
Fermenta minhas palavras hostis
Que projetam meu asco e ranço
E toda a miséria humana previsível
Não me calo diante das desumanidades
E dos vícios
Por vezes me pergunto
Porque escolher o mais difícil
Se é mais fácil fechar os olhos
Pois não haverá fim para as atrocidades
Já estamos entregues
Ao que nos salva de nós mesmos
Por vezes me pergunto
Porque escolher o mais difícil?


*Ilustração de minha autoria


RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2007. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.

4 comentários:

Claudio Eugenio Luz disse...

Acompanho a tua produção já faz um certo tempo e percebo que você está escrevendo com mais firmeza nas palavas, indo direto ao ponto - não que não fosse antes, porém, estou notando. Corrija-me se estiver enganado.

hábeijos

Larissa Marques disse...

Realmente não sei te dizer, se estou mudando, não percebi ainda. Mas é bom saber, por vezes somos os últimos a perceber, não é?

Augusto Sapienza disse...

Uma vez que uma janela se abre mais para um horizonte distante, ela nunca se tornará a fechar...

Bjs, Zé...

Paulo Sempre disse...

fixe.