Pesquisar este blog

quarta-feira, setembro 06, 2006

Depois que parti de mim
Escrevo cartas intensas
Sem fim
Rabiscos tortos
Inúteis
E essa casca
Convalescente
Insiste em gritar,
Chorar, sofrer,
Clamar pelo que já fui
Mas esse que observa
Já não quer mais voltar
Busca ainda seu rumo
Está preso a esse tema
Fatídico e ignóbil
Como as canções repetidas
Em semitom
Não mais
Não mais.
RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.
Convido você leitor, para que visite meu blog de prosa:

6 comentários:

Claudio Eugenio Luz disse...

A parte final me lembrou um conto de e.a.poe, onde o corvo diz: no more, no more.

hábeijos

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Oi!
Beijos do *CC*

Leandro Jardim disse...

Intenso e irresistível!

bjs bjs

Edilson Pantoja disse...

Somos, e isso significa tanto um "já foi" quanto um "ainda não". Abraço!

Márcio Bezerra disse...

Escrevo cartas intensas
Sem fim, adorei a intensidade do verso, abraços....

Me Morte disse...

Tomei a liberdade de adicionar teu blog aos meus favoritos.Nossa, que lindo!Não me canso de ler teus escritos.Parabéns pelo talento.Devagar e com tempo vou saboreando todos eles.Beijos

Me