Pesquisar este blog

quinta-feira, abril 12, 2007



Procurei-me em teus olhos
Nas entranhas noturnas
E as estrelas brilharam inertes
Somos pó desse universo
Confuso, obtuso
Deixei-me aprisionar
Em teus versos pobres
E agora estou só
Neste mundo
Haxixe, heroína, cocaína,
Onde estará Macunaíma?
Talvez solto
Em meus desejos torpes
Preso nos meus beijos
Em Baudelaire
Em meus sonhos secretos
Em minhas artérias negras
Em meus infernos íntimos
Descobri-me, enfim,
Verme desse universo absurdo
Sou surdo, mudo e moribundo
Mas ainda me sobram os olhos.

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2007. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.

3 comentários:

Anônimo disse...

Percebe-se duas fases no poema, antes e depois de Macunaíma, muito bom!

Amanda disse...

Que sobre-te mais que os olhos!

teca disse...

Muito forte, seu poema.