Pesquisar este blog

segunda-feira, maio 21, 2007


ame-me mais algumas vezes
venere-me como um templo
de gozo efêmero
idolatre-me como se fosse um deus
pois estou de saída
não sei quando volto
não sei se volto
estou às voltas
com um novo mundo
cheio de vertigens
não sei se volto
nem me ame mais
por saber da verdade
não quero mais ninguém
comigo, ouvindo-me
se eu gritar
se eu gemer
se eu chorar
se eu morrer...
os dias que tivemos
foram gentis
mas deixe-me agora
num último beijo
e meu caminho estará livre
sem explicações
e se eu dormir
deixe-me outro beijo
farei só, meu caminho insano.

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2007. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.

6 comentários:

oamareloeonada disse...

lindo e de tirar fôlego. ;]

Michel M. disse...

Venho acompanhando seu trabalho há algum tempo, admirado com sua evolução, quanta força em suas palavras, mulher!

Alexandre disse...

amarte-ei muitas vezes...rs!

Cléo Mendonça disse...

sensação de vertigem mesmo!

Van disse...

Como voce gosto de poesia(tambem nao a domino,mas escrevo o que sinto)Prabens pelos escritos.

Antônio Alves disse...

Como sempre você é deslumbrante. Este poema tem muito de si, o desejo de rasgar-se, de gritar a rosa-dos-ventos pela liberdade.

Gostei do livro, achei uma outra Larissa, mais "comportada", até mais sensata. Ainda prefiro a Larissa que rasga o verbo.

Um forte abraço amigo!