Pesquisar este blog

quarta-feira, junho 07, 2006

Desalento

Uma vez fui musa de alguém
Mas não me dei conta do que acontecia
Sentei-me na margem de meu abismo solitário
E deixei-me voar por entre as falésias
Adaptei-me ao ambiente sombrio
Conheci as voltas dos quatro ventos
Que giram sem parar, entre nós,
Acostumei-me comigo
Vaguei esquecida pelo vale da morte.

Já não desejo mais ninguém
Revoltada, descrente em minha agonia,
Soturna, guardava sentimentos num relicário,
Troquei meus desejos por amnésias
Escolhi ser animal ferido, arredio,
Que não se importa com o desalento
Por entender que estaremos sempre sós
Acostumei-me comigo
E vago ainda pelo vale da morte.


RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.
Convido você leitor, para que visite meu blog de prosa:
http://www.calamidadevisceral.blogspot.com/

10 comentários:

Antônio Alves disse...

Sartre diz: "estamos sós e sem desculpas". Sós e não só, isso quer dizer que vagamos juntos, apesar de sermos átomos, termos peculiaridades individuais, querendo ou não somos partes ínfimas coladas ao todo. Abraços, Antônio Alves

Paulo Izael disse...

é isso mesmo! Achei brilhante o apagar da chama no mergulho solitário que o desamor proporciona! Deixo aqui meu cumprimento pela exaltação poética!!!!!!!!!

Vincent Benedicto disse...

E que desalento hein? Sempre será musa de alguém, queira ou não. Beijos!

Tarcísio Zacarias dos Santos disse...

Beleza de texto Larissa. Adorei ler você. Um abraço e muita inspiração para você!!!

Edilson Pantoja disse...

Acostumar-se é descobrir-se, encontrar-se? A margem é um bom lugar para se assistir, mas não para participar... Viagem...
Abraços de Belém!

croqui disse...

isso dá que pensar!
... e lembra-me alguém q já havia desistido e vagueava também pelo vale da morte, mas nunca se conseguiu acomodar ou acustumar-se consigo próprio...

mas como a esperança é a última a expirar, e haverá sempre outro caminho... ele conseguiu descobrir o vale da vida!

ps: ola Larissa, não tens aparecido no esquisso! espero que voltes...

Claudio Eugenio Luz disse...

Não sei o que está acontecendo, se é o meu pc pu se é o blogspot que está passando por 'dificuldades técnicas', mas não estou conseguindo abrir; contudo, cá estou para lhe dizer que mais uma vez, com charme de quem sabe lidar com os sentimentis humanos, mais uma bela poesia.

hábeijos

Larissa Marques disse...

Muita gente reclamou do blogspot, não deve ser seu computador!

Leandro Jardim disse...

Hmmm... esse tema que hoje vejo em poesia, me lembra um diálogo recém tido sobre uma prosa que por aí (se) passava...

Palavras em edifício são as construções lindas. Sua arquitetura de sentimendos arrebata.

bjs

Guu disse...

Caramba!

Que foto marailhosa! Não consigo nem ler, não tiro os olhos da foto.