Pesquisar este blog

quinta-feira, junho 22, 2006

Faça uma prece
Para pedir o que quer
Para ter o que precisa
Para proteger seu filho.
Mas pergunte para um homem velho
Por que não consegue dormir a noite
Tenha coragem de sair de linha
Jogue-se na vida,
Ou deixe seu coração na “Terra do Nunca”
Onde não vai crescer
Onde não vai sofrer
E não se olhe no espelho
Para o tempo não te alcançar.
Mas se olhar não fite seus olhos
Que poderá ver tudo que odeia.
Odeie-me, odeie-me.
Sou a sua realidade.
Faça uma prece
Para um suposto “Deus”
Afastar te desse cálice,
Mas se não te afastar
Olhe-se no espelho
E verá que eu sou você
Sou sofrimento, sou a dor,
Sou a guerra, sou o ódio,
Sou você.
RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.
Convido você leitor, para que visite meu blog de entrevistas:

11 comentários:

Alexandre disse...

Oi Larissa!
Topo qualquer coisa com você. É só me dizer como e quando mando as imagens!

Bjs

Claudio Eugenio Luz disse...

Ei, uma verdadeiro tapa na cara!Gostei do estilo.

hábeijos

Guu disse...

Tema lago especial por aqui.

Adorei.

Bjs,

(=^=^=)

mary disse...

Forte este! Gostei. :)

Irei te linkar, querida!

Beijos.

Rubo Jünger Medina disse...

Certa pessoa fez algumas observações sobre envelhecer, olhar no espelho, ver as rugas (ou não conseguir vê-las). Foi isto que o seu poema me fez lembrar. Ela disse o seguinte: "Deus é muito generoso conosco. Ao mesmo tempo em que envelhecemos, ela vai diminuindo a nossa visão, pra que não possamos ver as rugas do rosto... " Palavras dela. Palavra!!!
Abraços!

Leandro Jardim disse...

Caramba, que pancada!

bjs

Antônio Alves disse...

Seu poema é um dedo indicador permanente. Um abraço

Luís Monteiro da Cunha disse...

Olá, vim aqui ter por obra e graça do acaso...

do que li, destaco:
"Afogo-me em minhas memórias
Nas águas dos meus erros
Na lama dos meus pecados.
Nobres foram minhas buscas
Mas nem tanto minhas descobertas
É hora de voltar à tona
Respirar
Aqui é o meu lugar
"


gostei.
Espero voltar a ler-te

Bjinho
Luís Monteiro da Cunha

croqui disse...

...e numa tentativa de evitar o inevitável, luto contra o tempo, para o tempo não me alcançar!

ah, quem me dera ficar na "Terra do Nunca"...

croqui disse...

ah, gostava da sua opnião: "Para ti"

lord wordpower disse...

Adorei sua Sofia! Eu e ela nos parecemos incrivelmente! As diferenças são meramente anatômicas... hehehehe

Um abraço =*