Pesquisar este blog

terça-feira, março 28, 2006

Que venha o homem
Com suas pernas finas
Como se soubesse o que é ser
Que venha também
A mulher
Como se soubesse o que quer
Que venham todos os bichos
Em roupinhas de algodão
Seus brinquedos
Seu torrão
Com suas lanças pontudas
E dentes cariados
Venham os banguelas
Que nem servem para mascar
Com suas vidinhas toscas
Suas jóias foscas
Seus dizeres de poder,
Santa ignorância.
Como ter o que não conhece?
Por que acreditar no que não vê?
Dançam em torno de sua fogueira
Fazem sua guerra
Lavram sua terra
E perpetuam sua prole
Não têm mais o que fazer.
Agradecimentos especiais ao fotografo Paulo Brasil, autor da fotografia que ilustra meu poema. Você poderá ver mais trabalhos do Paulo Brasil no endereço:
RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site.

5 comentários:

*CAROL* disse...

Larissa... tua poesia sempre me leva a viajar por lugares inesperados... teus escritos são mágica para mim...
Ah! Deixei um comentário no Fotoclube/508, mas reitero aqui meus cumprimentos pelo ótimo trabalho. Parabéns! Beijos.

Luiz Guerra disse...

Belíssima página, minha querida amiga. Vai agora para os meus favoritos. Beijíssimos beijos.

Eduardo Lacerda disse...

Talentosa e amiga. parabéns, sempre.

Beijo;

Eduardo

Claudio Eugenio Luz disse...

Sem dúvida, um tapa na cara da senhora conformidade.

hábeijos

claudio

Warum Nicht? disse...

" é nois na fita, mano"
cadáveres adiados...
um abraço!