Pesquisar este blog

quarta-feira, maio 10, 2006

Perdida em tuas unhas negras
Que quase revelam tua alma
Mergulho num fosso sem fundo
De onde não quero voltar
Já não ouço mais vozes
Não vejo mais gestos
Nem se dá conta do desprezo
Que me cabe
Restam de ti tuas linhas retas
Tuas caricaturas de overdose
Teu desencanto que beira ao encantamento
Tua vontade vazia de estar d’outro lado
E tuas unhas negras
Que bailam sobre meu olho absurdo
Que teimam em me guiar.

Agradecimentos especiais ao amigo Fernando Couto, modelo e idealizador da fotografia que ilustra o poema, que foi inspirado nesta imagem.

RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.
Convido você leitor, para que visite meu blog de prosa:

4 comentários:

fernando couto disse...

olá lari, ainda vou te agradecer pessoalmente por isso!
pode escrever, te adoro muito!
beijão.

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Oi Larissa!

Belo poema.

Beijos do *CC*

Alexandre disse...

Você sabe mesmo como fundir texto e imagem com poesia!

Claudio Eugenio Luz disse...

No porta-luvas, unhas negras e afiadas; prontas e bem dispostas a nos arranhar. Belo e sutil.

hábeijos