Pesquisar este blog

domingo, maio 07, 2006

Ruas negras rasgam a cidade
E minhas carnes moles
Sinto a civilidade rasgar minhas veias
E o alcatrão tomar meus olhos
Presos no horizonte,
Corre por minha cintura a avenida
Carros transitam pelas vicinais
Sou o cúmulo do excesso
Sou o túmulo de concreto.
RESPEITE OS DIREITOS AUTORAIS E A PROPRIEDADE INTELECTUALCopyright © 2006. É proibida a venda ou reprodução de qualquer parte do conteúdo deste site. Este texto está protegido por direitos autorais. A cópia não autorizada implica penalidades previstas na Lei 9.610/98.
Convido você leitor, para que visite meu blog de prosa:
http://www.larissamarquesemprosa.blogspot.com/

4 comentários:

Alexandre disse...

Linda poesia. Acho incrível o que podemos fazer com a soma de letras e palavras!

Ps.: Eu li vc no Recanto!

Claudio Eugenio Luz disse...

Jogou pesado, descortinando outras realidades dessa nossa interioridade.Parabéns.

hábeijos

Aerodrama disse...

Muito boa!!! muito mesmo!!!! Muito mesmo!!!!

Um abraço,
Aerodrama.

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

Gostei.